Matheus Prado

Já que #EleNão… quem, então?

Eu ando vendo muita gente usando a #EleNão nos últimos dias. De ilustres desconhecidos até figuras públicas importantes. Todo mundo muito comprometido com essa ideia. Tudo muito bom, tudo muito lindo.

Só que isso me deixa com uma dúvida imensa: Já que ele não… Quem, então?

É que eu já sei em quem vocês não votam. Mas diz aí: qual é a alternativa que vocês me apresentam para ele?

Seguindo o raciocínio de quem compartilha essa essa ideia, eu entendo que é importante se posicionar contra alguém tão horrível como ele. Contra alguém que faz as coisas que ele faz e diz as coisas que ele diz.

Mas, a não ser que eu esteja muito louco, mas muito louco mesmo, acho que, nesse momento em que vivemos, é mais importante falar sobre quem colocar lá onde vocês não querem ele.

Eu já notei que a internet está infestada de intelectuais. Vejo isso até mesmo entre meus distintos amigos de facebook. E como eu sou um cara aberto, tenho sido bombardeado por ideias de esquerda, direita, de cima e até de baixo. Eu só observo…

Mas acho meio maluco ver essa onda de gente dizendo em quem não votar e esquecendo de dizer EM QUEM VOTAR! Por que, quando vocês fazem isso, dão a entender que pode ser qualquer pessoa, menos ele. E isso não é verdade. Há muitas pessoas que são bem piores do que ele. E pode tatuar na testa o que eu estou dizendo.

Talvez você não saiba, mas esse movimento do #EleNão começou com militantes do PT e do PSOL, partidos que, ao lado do PSDB e do MDB, são, não opinião desse imbecil que vos fala, a representação de tudo que há de ruim não só no Brasil, não só no planeta, não só no sistema solar, não só na galáxia, mas no universo.

Pensando nisso, a pergunta continua sem resposta: quem, então?

Eu gostaria de ouvir dos tantos homens e mulheres que se vestiram de luz e se empoderam nessa hashtag: qual é a opção contra ele. Afinal, #EleNão. Eu já entendi que ele é machista, racista, homofóbico, assassino, estuprador, pilantra, cachorro, safado, sem-vergonha e sei lá mais o que. Mas qual é a alternativa?

Ele quem, então, nobres diplomatas? Nobres engenheiros. Caros universitários. Finos sabedores e doutores da razão?

Por que, se vocês vierem me dizer que a alternativa para ele é o mauricinho que se finge de pobre pra invadir os imóveis alheios, o excelentíssimo coronel que batia na esposa e que achava que a única utilidade dela era dormir com ele ou o boçal suplente do PT…

Aí eu acho que prefiro ficar na minha casa mesmo, no dia 7.

Matheus Prado