Matheus Prado

Como enviar seu livro para uma editora?

Escrever um livro não é, nem de longe, uma tarefa fácil. São meses (ou até mesmo anos) de muito trabalho para deixar a história perfeita e cativante. E é comum que o autor queira compartilhá-lo como o mundo após todo o esforço dispensado.

Mas o problema aparece quando você decide apresentá-lo imediatamente após terminar de escrever a palavra “FIM”. Um livro não fica pronto quando você acaba de escrevê-lo. Para isto resiste a revisão e a reescrita. Para isso existem os leitores beta e os leitores críticos.

Mas, supondo que seu livro já passou por todos os estágios necessários, o que fazer para enviá-lo para uma editora? Como chamar a atenção de algum editor?

Não existe uma fórmula secreta, mas você deve tomar alguns cuidados cruciais para evitar soar prepotente e arrogante. Do mesmo modo, é importante que você mostre confiança. Autor retraído e reprimido é tão ruim quanto autor que se considera o melhor.

O post de hoje foi escrito para tentar ajudar nessa hora. Desde que assumi a coordenação do Selo Novos Autores da editora Maori Books, tenho me visto numa situação ímpar. Muitas das obras que chegam diariamente realmente me impressionaram. Tanto que está sendo muito difícil selecionar as melhores.

Porém, existem aquelas que poderiam render livros incríveis, mas que pecam e são descartadas unicamente pela forma como o autor se comporta. Pensando nisso, decidi dar umas dicas para os autores novatos que desejam encaminhar seus originais para alguma editora, seja ela qual for.

Você já ouviu falar em Query Letter?

Uma Query Letter, ou como eu prefiro dizer, uma Carta de Apresentação, é um texto que pode ser anexado ao e-mail de envio do original, inserido na primeira página do próprio original ou digitado no corpo do e-mail. Primordialmente, ela deve conter uma descrição do livro boa o suficiente para despertar a curiosidade do editor ou de seu assistente.

E a primeira dica que eu te dou é: Escreva corretamente. Já recebi muitas sinopses impossíveis de serem compreendidas, de tantos erros que havia. Outras eram gigantescas e não falavam absolutamente nada. Lembre-se sempre de que você é um ESCRITOR e sua principal função é fazer com que os leitores acreditem e amem aquilo que você escreve. A Carta de Apresentação é o primeiro contato que o editor tem com seu texto e se ela for ruim, ele ignorará completamente o resto do seu material.

Uma boa Carta de Apresentação não deve ser maior do que uma página A4. Ela será dividida em cinco partes. Confira:

Primeira Parte: Introdução. Explique a Intenção da sua carta;

Segunda Parte: Logline. Uma descrição extremamente clara e objetiva da sua história. Deve conter, no máximo, duas linhas.

Terceira Parte: Sinopse. Escreva a sinopse da história. Descreva os principais personagens e plot central. É preciso acrescentar que nessa parte existe um problema: Você deve ou não contar o fim da sua história? Eu acredito que a resposta varia de um caso para o outro. Analise bem e decida. O importante é impressionar o editor e mostrar para ele que seus escritos tem muito potencial. E também que você sabe como contar uma história.

Quarta Parte: Biografia do Autor. Escreva um texto curto e direto sobre você. Tente destacar, principalmente, as características que fazem de você um bom escritor. Não tente impressionar o editor citando seus diplomas e coisas do tipo. Principalmente se eles não tiverem ligação nenhuma com o que você escreve. Mas se você escreveu um livro de fantasia medieval, vale a pena dizer que é professor de história, com pós-doutorado em guerras medievais.

Quinta Parte: Encerramento. Em um único parágrafo, agradeça a atenção e manifeste sua disponibilidade para uma conversa futura sobre a obra e uma possível publicação. Disponibilize todos os seus contatos e se mostre totalmente acessível.

O Diabo está nos detalhes

Tome muito cuidado com os detalhes. Quando você envia um original, antes de chegar às mãos do editor, ela passa por, pelo menos, mais uma pessoa. Por esse motivo, tome muito cuidado com as coisas que você escreve. Seja extremamente profissional e respeitoso.

Leia atentamente e siga todas as regras exigidas pela editora. Muitas delas solicitam, inicialmente, uma carta de apresentação, contendo apenas a sinopse da obra, para solicitar o original apenas se ela despertar o interesse do editor. Isto acelera o processo de aprovação dos originais, pois filtra as obras que não se enquadram na linha editorial e que não tem a qualidade exigida. Tome isso com algo bom e esforce-se ao máximo para demonstrar seu domínio sobre a escrita.

Antes de enviar seu original, certifique-se de que ele está pronto. Leia, releia, reescreva e corrija quantas vezes forem necessárias. Não se esqueça de um detalhe muito importante: Não há uma segunda chance para causar uma boa primeira impressão.

O que não escrever

Abaixo, confira frases escritas por autores iniciantes em Cartas de Apresentação que até seriam engraçadas se não fossem trágicas. Tome muito cuidado com isso.

Publique o meu livro pelo amor de Deus, pois eu sou muito pobre e não tenho condições de pagar para uma editora lançá-lo. Não faça isso nunca. A editora não é uma casa de caridade. O editor não terá dó de você e seu filme ficará queimado.

O meu livro te tornará muito, mas muito rico mesmo. Não fale em dinheiro em suas apresentações. Este é mercado de risco e até mesmo grandes autores já lançaram livros que deveriam ser um sucesso mas que foram um grande fracasso. Você nunca vendeu seu livro. Como pode saber que ele será um sucesso?

Meu livro já está registrado. Não tente roubá-lo. Acredite, ler isso é muito mais comum do que parece. Talvez seja um reflexo dos novos tempos, onde tantas editoras mal-intencionadas se escondem nas sombras em busca de autores ingênuos. Mas saiba que um editor profissional e respeitável jamais cogitará roubar seu livro. Se a ideia for tão boa assim, será muito mais fácil – e até mais barato – lançá-lo e dividir os lucros com você.

Meu livro ainda precisa de uns ajustes, mas dá para entender a ideia… Nunca minimize o seu próprio material. O livro que você enviou deve ser a sua melhor obra. Se não for, guarde-o para você.

Meu livro é o novo O Senhor dos Anéis. É fato que algumas editoras vendem seus livros com essas comparações estranhas. Mas essa é uma decisão de marketing usada para induzir o leitor a comprar aquele livro. Logo, se você escrever isso, o editor acreditará que você está tentando induzi-lo a ler seu original a todo custo e é provável que decida descartá-lo. E sempre existe a possibilidade do editor odiar o livro com o qual você comparou o seu…

Se você não gostar deste livro, eu tenho mais dois que posso encaminhar. É bom ter mais de um livro, mas você deve apresentá-los um de cada vez. Além disso, se insinuar que o editor pode não gostar da sua obra, estará mostrando que não tem confiança no seu próprio trabalho. Lembre-se sempre: Se o editor se interessar por seu livro e quiser saber sobre outros textos, ele mesmo irá perguntar.

Estas foram as dicas de hoje. Espero que sejam úteis. Boa sorte e até mais.


As dicas estão sendo úteis? Então não deixe de comentar sobre o que achou do post. Nos vemos novamente em breve.

Matheus Prado