Matheus Prado

Como escrever sem ficar completamente maluco?

Eu já disse em muitos outros textos que escrever é um processo lento e doloroso. Essa é uma verdade universal que (infelizmente e felizmente, pois todo escritor é meio masoquista também) provavelmente nunca irá mudar. Também é fato que você nunca “aprende” a ser um escritor, por completo. Um bom escritor sabe que escrever é um processo de aprendizado constante.

Não é como fazer uma faculdade, onde você se forma e pode esfregar o diploma na cara das pessoas. Mesmo que você termine o seu livro, ainda terá um longo caminho de aprendizado pela frente. Um caminho que nunca chega ao fim.

Mas existem algumas ações bem simples que diferenciam os autores que conseguem chegar lá daqueles que morrem na praia. A principal delas pode parecer um pouco idiota, mas faz todo sentido: escritores de verdade escrevem livros.

Eu conheço dezenas de pessoas que se dizem escritoras. Pessoas que tiveram uma ideia genial e acham que serão o próximo Dan Brown ou a próxima JK Rowling. Não há problema nenhum nisso. O problema está no fato de que a maioria destas pessoas nunca acaba seus livros. Eles escrevem, escrevem, escrevem e escrevem… Mas nunca saem do lugar.

Se eu tivesse que apostar qual o motivo, diria que são dois: falta do hábito da escrita correto e falta de planejamento.

Você pode discordar de mim, mas eu continuo afirmando que, se você quer ser escritor, precisa escrever todos os dias, sem exceção. Esse é o primeiro passo. É simples, mas também é o mais importante. Quanto mais você escrever, melhor escritor será.

Mas é importante ter um norte para sua escrita, e é aí que o planejamento entra. Muitos autores constroem suas obras sem planejamento prévio. E ainda que esse processo eventualmente gere bons livros, eles são a exceção.

Construir obras literárias, principalmente aquelas mais complexas e com vários personagens, exige um mínimo de planejamento e estrutura. Se aventurar neste mundo sem estes dois itens é o mesmo que mergulhar na Fossa das Marianas só com um roupa de ginástica. A pressão vai te esmagar e você não vai chegar onde deseja. É claro que milagres podem acontecer. Mas… Com que frequência você tem visto milagres acontecendo ao seu redor?

Então, como sou um cara legal, vou te mostrar o caminho nas pedras aqui. É um guia, que você pode usar para planejar suas histórias daqui pra frente.

O primeiro passo, obviamente, é saber sobre o que você quer escrever. Isso nós chamamos de conceito. É a ideia base de uma história. Nesse momento, você deve definir três pontos fundamentais: o que acontece na sua história? Sobre quem ela é? E por que alguém vai querer ler?

Depois disso, você pode escrever a logline da sua história. Logline o resumo mais básico da sua trama, que geralmente se resume a algo como: uma pessoa quer uma coisa mas algo a impede de conseguir. Ou seja, a logline é a descrição destes três elementos: protagonista, o objetivo e o obstáculo. Tudo isso em um único parágrafo, na forma mais direta possível.

Logline de Vingadores: Os heróis mais poderosos da Terra (protagonistas) devem se unir e aprender a lutar como uma equipe (objetivo) para impedir que o maldoso Loki (obstáculo) escravize a humanidade com seu exército alienígena.

É fundamental saber o logline da sua história para planejar o que virá a seguir.

Tendo feito isso, escreva um resumo da sua história, com o máximo de detalhes que conseguir, mas sem abusar da sorte. Não estou falando de uma sinopse. Estou falando de um resumo mesmo, apresentando os principais pontos. Particularmente, acredito que uma folha A4 é o suficiente para o resumo. Escreva o que acontece em todas as partes e cite quais são os personagens principais. Com base neste texto, você separará o livro em capítulos.

A partir daqui, os próximos passos são a repetição do que você já fez. Olha só: primeiro você deve escrever uma logline de cada um dos capítulos, dizendo brevemente o que deve acontecer em cada um deles. Use o resumo como guia e não haverá erros. E, por fim, faça um resumo detalhado de cada capítulo, com dois o três parágrafos, dizendo o que deve acontecer e quais são os personagens que aparecerão.

O próximo passo depois disso, obviamente, é escrever muito até finalizar seu livro.

Agora que você já tem um norte para sua história, deixe sua imaginação voar e escreva o máximo que puder. Todos os dias. Estipule metas, se achar melhor, e prazos para finalizar cada capítulo. Comigo, isso funciona muito bem.

Este é o meu processo de escrita e ele pode funcionar muito bem pra você, assim como funciona pra mim. Mas, obviamente, não é regra. Como eu já disse muitas vezes, não há regras quando falamos de arte. Com o tempo, você acabará desenvolvendo o seu próprio método de escrita, já que esse é o caminho natural.

Esse texto ficou um pouco maior do que deveria, mas acho que vai ser bem útil para você. Lembre-se de deixar sua opinião nos comentários.

Matheus Prado