Tudo tem um preço. Absolutamente tudo. Não importa se você quer ser caixa de supermercado, jogador de futebol ou físico nuclear. Qualquer uma destas profissões vai exigir que você se prepare de alguma forma e abandone certas coisas que, hoje em dia, você sente prazer em realizar. Mas tudo isso é pora um bem maior.

Com a escrita não é diferente. Embora sentar e escrever pareça uma tarefa especialmente fácil, quem está em busca desse sonho sabe que simplesmente não é. Escrever é difícil, penoso, complicado. Não é impossível, claro, mas não é um passeio no parque.

Pense nos artistas que você ama e nas obras que eles produziram. Como você acha que elas foram produzidas? Acha que eles simplesmente acordaram, respiraram fundo e criaram? Tenho certeza que não.

Isso é fácil para você…

Gosto demais de uma história que ouvi sobre Pablo Picasso, o famoso pintor espanhol co-fundador do cubismo e autor de obras icônicas, como, A Vida (1903), Les Demoiselles d’Avignon (1907), Dora Maar com Gato (1937), Guernica (1937) e muitas outras.

Segundo a lenda, quando já era idoso, o pintor estava em uma café, rabiscando um guardanapo. Uma mulher, que estava sentada em uma mesa próxima, viu o desenho e ficou encantada. Alguns minutos depois, o artista se levantou, amassou o guardanapo e se preparou para coloca-lo no lixo. A mulher o interrompeu e falou:

— Posso ficar com esse desenho? Eu pago.

— Claro! – Picasso respondeu – É seu por US$ 20,000.

— O que? Você não levou mais que dois minutos para desenhar isto. – disse a mulher, espantada com a cobrança.

— Não, minha senhora. – Picasso respondeu com um sorriso – Eu levei mais de 60 anos para desenhar isto.

Qual é a moral desta história? Pra mim, é bem simples. Nenhum talento nasce com você, por mais que gostemos de acreditar neste fato. É preciso trabalho duro, perseverança e um pouco de desapego com a vaidade. Digo isso porque, depois de praticar por dias, talvez anos, você vai ficar bom. Muito bom, provavelmente. Neste momento, muitas pessoas vão olhar o seu trabalho e dizer que foi fácil para você. Que não houve custo. Que você nasceu com um dom divino.

Mas só você será capaz de medir custo desse talento.

Habilidades do escritor

Há quatro habilidades que você precisa dominar para alcançar o tão sonhado sucesso. E não importa qual seja a sua definição de sucesso. A única forma de chegar até ele é com muito esforço e trabalho duro.

As quatro características essenciais são: resiliência, prática, definição de prioridades e paixão.

Lembre-se de que não há atalhos e nem acordos. Ou você faz ou você não faz. O que te difere dos outros que querem conseguir o mesmo que você é o tempo que você está disposto a “perder” para alcançar os seus sonhos. Como diz a raposa para o Pequeno Principe:

— É o tempo que você perdeu com sua flor que faz ela ser especial.

Acredito nisso. Também acredito em outra frase da raposa: “O essencial é invisível aos olhos”.

#01 – Resiliência

Quando você decide que quer ser um escritor ou uma escritora, precisa se preparar para dois problemas graves: a dificuldade de escrever e a rejeição. Apenas essas duas coisas são certas na profissão. Assim como só a morte é certa na vida.

Mas, por mais desanimador que isso seja, é importante seguir em frente. Aceitar a rejeição e continuar de pé nas dificuldades é a principal habilidade que você precisa dominar. Resiliência é a palavra chave.

Todo artista que alcançou o sucesso já foi rejeitado em algum momento, antes de ser reconhecido. Não deixe que as dificuldades tem impeçam de crescer.

#02 – Prática

Ao mesmo tempo, de nada vale seguir em frente, tentando, se você não tem o mínimo para se manter firme na área. Você precisa aprender e evoluir. Melhorar como pessoa e como artista, em todos os momentos da sua vida. E o segredo para melhorar é praticar todos os dias, sem excessões.

Já publiquei vários artigos e vídeos no canal do YouTube sobre a importância de criar uma rotina de escrita e escrever todos os dias. Pode parecer difícil num primeiro momento, mas, se você transformar essa prática em uma rotina, fará sem muitas dificuldades.

Prática constante é mais um preço essencial, que você deve estar disposto a pagar.

#03 – Definição de Prioridades

Durante um longo período de tempo, fui designer, músico, cineasta, filmmaker, jornalista, radialista e, quando tinha tempo, escritor. Eu queria ser tudo e acabava não sendo nada. Não havia prioridades.

Minha vida só mudou quando decidi: sou um escritor. É isso que nasci para fazer e é isso que me dá prazer. Se você quer ser escritor, precisa escrever. Colocar a escrita em primeiro lugar na sua vida.

É claro que você vai me dizer: “Ah, mas eu preciso pagar as contas”. Se você não pode abandonar tudo de uma vez para se dedicar a escrita (como eu também não pude), coloque a escrita no topo da sua lista de prioridades e trabalhe intensamente para transformar isso em uma profissão.

As coisas não acontecerão se você não trabalhar para que elas aconteçam.

#04 – Paixão

Por fim, você precisar amar o que faz. Sentir paixão pela escrita… E pelas coisas que vem com ela. Escrever é sofrer, dizem alguns. E é verdade. Para seguir seu sonho, você terá que fazer alguns sacrifícios. Terá que abandonar coisas (e pessoas) que você ama.

É claro que estou sendo dramático demais, mas você precisa estar disposto a sofrer. No fim das contas, o sofrimento será recompensado.

E a melhor forma de passar pelo sofrimento e se manter de pé e amar profundamente o que você faz. O amor é a única coisa que faz você sentir prazer até mesmo durante os momentos de aflição.

Prepare sua mente para o sucesso

O sucesso pode significar muitas coisas. Não é necessariamente ser a nova J.K Rowling ou o próximo Dan Brown. Não é apenas ser conhecido no mundo inteiro e vender centenas de milhares de livros.

Pode ser apenas viver da escrita, ganhando dinheiro o suficiente para pagar as contas em dia. Não há problema algum com essa ideia.

A única coisa da qual você não pode abrir mão é da mentalidade do escritor de sucesso. Você precisa estar preparado para alcançar seus objetivos.

Muita gente sonha com o sucesso, mas quando se vê de frente com ele, não sabe como agir e perde a cabeça. Se não quer que isso aconteça com você, se prepare. Busque o sucesso, independente da sua definição, como uma das recompensas, mas não como objetivo final do seu trabalho.

Não tente encontrar atalhos. Comprometa-se com a sua viagem e aproveite a oportunidade que você tem nas mãos. Observe atentamente o caminho, porque, como diz o clichê, ele é mais importante do que a o destino.

Se você seguir em frente e trabalhar duro, quando olhar para trás e ligar os pontos (valeu pela dica, Steve Jobs), ficará surpreso com o que conseguiu.

É isso aí. Obrigado pela visita e boa escrita. 😀

Comentários do Facebook

 O que você achou deste conteúdo? 

Deixe a sua opinião nos comentários, para que eu possa melhorar e trazer as melhores dicas para você. E lembre-se de assinar gratuitamente a newsletter, para que você possa receber os nossos posts diretamente no seu e-mail. Você também pode assinar o meu canal no YouTube e conferir os vídeos todas as semanas sobre literatura e escrita criativa.
Powered by Rock Convert

Entre para minha lista VIP e receba os conteúdos mais exclusivos sobre storytelling diretamente no seu e-mail

Junte-se a mais de 3200 pessoas

Não enviamos spam e o seu e-mail está 100% seguro!

Sobre o Autor

Matheus Prado
Matheus Prado

Matheus é jornalista, escritor e cineasta. Acredita que a vida é um oceano profundo e que devemos nos aventurar muito além da superfície.

Este site utiliza Cookies e Tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência. Ao utilizar nosso site você concorda que está de acordo com a nossa Política de Privacidade.